Homenagem às Mulheres da JUFRA do Brasil

Irm√£s e Irm√£s da JUFRA do Brasil,

Neste dia 08 de Mar√ßo celebramos o Dia Internacional de Luta das Mulheres. √Č um dia hist√≥rico, dedicado e marcado por muitas mobiliza√ß√Ķes, celebra√ß√Ķes e manifesta√ß√Ķes das mulheres trabalhadoras em todo o mundo!

Fazemos, ent√£o, a mem√≥ria daquele primeiro 08 de mar√ßo, em 1857, quando oper√°rias de uma f√°brica de tecidos, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, fizeram uma grande greve e ocuparam a f√°brica. As reivindica√ß√Ķes eram melhores condi√ß√Ķes de trabalho, como, redu√ß√£o na carga di√°ria de trabalho para dez horas (as f√°bricas exigiam 16 horas de trabalho di√°rio), igualdade de sal√°rios com os homens na mesma fun√ß√£o (as mulheres chegavam a receber at√© um ter√ßo do sal√°rio de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi reprimida com total violência e as mulheres trabalhadoras foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.

E de l√° para c√°, mulheres e homens em todo o mundo trouxeram esta data como um dia de luta, para celebrar o que j√° foi conquistado e pautar o que ainda h√° de ser feito.

Nesta oportunidade, gostaria de agradecer a Deus, que é Mãe, e homenagear algumas mulheres que contribuíram na gestação e no parto da JUFRA do Brasil, cuidando, zelando e orientando, são elas: Ivone Barszcz (PR), Maria de Lourdes (PR), Madalena Gomes (BA), Vera Copeletti (RS) e Lourdes Nunes (MA). Estas mulheres coordenaram a JUFRA do Brasil em seus primeiros dezenove anos, de 1971 a 1989. Sua luta não poderá ser esquecida.

Hoje também temos muitas mulheres que, à exemplo de Clara, Isabel e tantas outras, doam suas vidas pela JUFRA, acreditando no ideal francisclariano de vida. Assim, nossa homenagem às mulheres do Secretariado Nacional da JUFRA, Secretárias Fraternas Regionais e Subsecretárias Regionais de DHJUPIC, conforme o mapa:

1) Wigna (Animadora - Nacional);
2) Wanessa (DHJUPIC PB/RN);
3) Therllianes (DHJUPIC MA);
4) Mayara (Formação - Nacional);
5) Maricélia (Secretária MS/MT/RO);
6) Lucianita (Secret√°ria PE/AL);
7) Giseli (DHJUPIC MG);
8) Gleice (Inf√Ęncia, Micro e Mini - Nacional);
9) Maristella (Secret√°ria DF/GO/TO);
10) Nayla (Secret√°ria SP);
11) Jamille (√Ārea Sul - Nacional e Secret√°ria RS);
12) Lorena (DHJUPIC PR);
13) Luciane (Secret√°ria BA Norte);
14) Andressa (DHJUPIC RS);

Agradecemos também à todas as jovens mulheres que, mesmo anonimamente, cuidam, zelam, lideram, coordenam, assistem, animam e constroem a JUFRA nas Fraternidades Locais espalhadas por todo este Brasil. Também nossas mães, irmãs, filhas, amigas, namoradas, noivas, esposas, tias, avós...

"Quem poder√° encontrar a mulher forte? Ela vale muito mais do que p√©rolas. Seu marido confia nela e n√£o deixa de encontrar vantagens. Ela traz para ele a felicidade e n√£o a desgra√ßa, em todos os dias de sua vida. Ela adquire l√£ e linho, e suas m√£os trabalham com prazer. Ela √© como navio mercante, que importa de longe a provis√£o. Ela se levanta ainda quando √© noite, para alimentar a fam√≠lia e dar ordens √†s empregadas. Ela examina um terreno e o compra, e com o ganho do seu trabalho planta uma vinha. Ela se prepara para o trabalho com disposi√ß√£o, e p√Ķe em a√ß√£o a for√ßa dos seus bra√ßos. Ela sabe dar valor ao seu trabalho, e mesmo de noite sua l√Ęmpada n√£o se apaga. Ela estende a m√£o ao fuso e com os dedos sustenta a roca. Ela abre as m√£os para o pobre e estende o bra√ßo para o indigente. Quando cai neve, ela n√£o teme por seus familiares, porque todos eles t√™m roupa forrada. Ela tece mantas e se veste de linho e p√ļrpura. Seu marido √© respeitado no tribunal, quando se assenta entre os ju√≠zes do povo. Ela fabrica tecidos para vender, e fornece cintur√Ķes para os comerciantes. Ela se veste de for√ßa e dignidade, e sorri para o futuro. Ela abre a boca com sabedoria, e sua l√≠ngua ensina com bondade. Ela supervisiona o andamento da casa, e seu alimento √© fruto do seu trabalho. Seus filhos se levantam para cumpriment√°-la, e seu marido a elogia: «Muitas mulheres s√£o fortes, mas voc√™ superou a todas elas!» A gra√ßa √© enganadora e a beleza √© passageira, mas a mulher que teme a Jav√© merece louvor. Cantem o sucesso do trabalho dela, e que suas obras a louvem na pra√ßa da cidade." (Prov√©rbios 31, 10-31)

Muito obrigado por vocês existirem!

Que o Deus da Vida, M√£e de Bondade, que viu em Maria a mulher "jovem, forte e corajosa", aben√ß√Ķe e ilumine a todas voc√™s, mulheres da JUFRA.

Grande abraço,

Emanuelson Matias de Lima (Elson)
Sub Nac DHJUPIC da JUFRA do Brasil

------------------------------------------------------------------------------

Um bom documentário que pode ser trabalhado nas Fraternidades Locais, abordando a questão feminina e o trabalho. O documentário "Mulheres Invisíveis" é uma produção da SOF (Sempreviva Organização Feminista), com o apoio da Secretaria de Políticas para as Mulheres--SPM)

Coment√°rios

DESTAQUES

BLOGS


INSTAGRAM @JUFRADOBRASIL