quinta-feira, 30 de maio de 2013

Corpus Christi ou Corpo de Deus? Que corpo, mesmo, essa data recorda e celebra?


Dia 30 de maio de 2013, festa ou feriado? "Corpo de Deus" ou "Corpus Christi"? Os grandes meios de comunicação, quando em português, designam o dia como de "Corpo de Deus"; quando em latim, como de "Corpus Christi". Essa dupla designação levanta a diferença fundamental entre as religiões em geral e o cristianismo em particular. Para aquelas, "Deus é um Espírito perfeitíssimo, eterno, criador do céu e da terra". Por isso, se o Deus das religiões é só Espírito, para elas é de todo inconveniente falar em "Corpo de Deus".

Cristianismo fora de Jesus Cristo não está com nada. O Homem-Jesus-de-Nazaré veio ao mundo há mais de 2000 anos, na Terra Santa ou Palestina. Deus, para as religiões, é totalmente transcendente e tem sempre aqui na terra um profeta, um guru, alguém em suma, que é quem o explicita. No islamismo, por exemplo, Deus é Allá e seu profeta é Maomé; na religião afro-brasileira, Deus é Oxalá e intermediário é o Orixá; em países asiáticos o Deus transcendente tem Buda como profeta. Enquanto as religiões tem sempre seu referencial em Deus, o cristianismo fora do Homem-Jesus-Cristo não existe. Porém Jesus que é um Homem de carne e osso é também Deus em plenitude. Para os cristãos portanto, a festa do dia 30 está muito mais para "Corpus Christi" do que para "Corpo de Deus".

Jesus Cristo é o Deus-Amor porque Ele veio nos revelar o verdadeiro AMOR oblativo, total, só ele digno do nome Amor porque, o primeiro, o captativo é falso, por isso morre logo aí adiante no arrastão do primeiro contratempo. O próprio Mahatma Gandhi, que não era cristão, exclamou: "A um povo de famintos, Deus só pode aparecer como Pão" e o Homem de Nazaré disse: "Não há maior prova de amor do que dar a Vida por aqueles aos quais se ama!" Não só falou mas concretizou com seus sofrimentos (paixão), morte na cruz, ressurreição e ascensão. Tornou-se pão para ser símbolo máximo do infinito amor pelas suas criaturas. Isto nós celebramos com a festa-feriado de Corpus Christi. As procissões que levam o Pão consagrado por ruas, casas e janelas enfeitadas para a ocasião, revelam uma devoção popular histórica, devota, cujo valor espiritual e cultural tem de ser acentuado.

A ênfase que se dá a uma Presença sacramental de Jesus Cristo não exclui, todavia, a sua presença igualmente Real, Encarnada e Viva nos corpos daquelas pessoas que, como Ele, foram e têm sido  desprezadas, perseguidas pelo poder econômico, político e religioso de cada época. À nossa volta existe muita gente processada, presa,  condenada e morta, justamente pela fidelidade que guardou ontem e guarda hoje à Sua Vontade Libertadora e Redentora do mal, do pecado, da injustiça.

Uma certa cerimônia religiosa, por sua pompa, solenidade vistosa e aparato, assim, corre o risco de fazer do seu significado o esquecimento do seu significante, sendo capaz de imitar ideologicamente uma exibição de autoridade e poder contra a qual o Corpo de Jesus Cristo, vítima pobre, flagelada e crucificada pelo mesmo tipo de mando, deu testemunho claramente oposto.

O sentido litúrgico dos ritos, das procissões que celebram a Eucaristia, antes de reduzirem o Mistério da Encarnação a uma Presença Mágica de solução de todos os nossos problemas, recorda que ela apareceu numa certa mesa em que se partia  o pão para todas/os, um pão material que, além de saciar a fome física dos comensais, pretendia perenizar tanto um modelo de amor, de partilha e convivência, quanto uma Presença Divina na história.

O fim transcendente ao sacramento celebrado na próxima quinta-feira parece não ser outro que não o do concreto modo pelo qual esse modelo cumpre a ordem de Jesus Cristo, "fazei isso em memória de mim".  Em que o "nem só de pão vive o homem", num contexto de repúdio à tentação de um consumo egoísta e exclusivo, posteriormente responsável pelo assassinato do Filho de Deus, vai ser confrontado depois pelo "...felizes os que têm fome e sede de justiça", "...foi no partir do pão que nós o reconhecemos", num contexto de ressurreição e de vitória sobre a morte.

Essa explicitação serve bem ao sentido e à referência que a celebração de Corpus Christi comporta. Questiona o reducionismo censurado pelo próprio Jesus Cristo quando advertiu de que não "não é aquele que me chama de Senhor, Senhor, que entrará no Reino dos céus", pois entre os sinais dos tempos que aparecem hoje, a ausência progressiva dos sinais da Eucaristia, aquela que não é puramente sacramental, parece inquestionável. Tão Real como Essa, aquela constitui desafio à prática de quantas/os querem ser fiéis a uma e à outra já que, em verdade, nem deviam ser consideradas separadamente.

Entre discutir se a data de celebração de Corpus Christi, portanto, deve ou não ser feriado, se a procissão vai sair com chuva ou sem chuva, quem deve ou não levar o ostensório, parece mais importante refletir que pensamento, sentimento e ação ela nos convida a considerar como os mais apropriados ao Amor e à Vida que ela encarna.


Salvo melhor juízo, convém que a gente participante da  procissão em homenagem ao Pão Consagrado seja a mesma que pega no arado sem olhar para trás, a que toma a sua cruz em seguimento de Jesus Cristo, a que ama os pobres e os pecadores, não os julgando para não ser julgada, a que, a caminho do Pai, espera encontrá-lo na eternidade, menos por ter participado dessa homenagem e mais por ter dado a vida pelo que aquele Pão simboliza  e encarna.

por Antonio Cechin e Jacques Távora Alfonsín

Fonte: Centro de Estudos Bíblicos (CEBI): www.cebi.org.br
O que achou?

0 comentários: