quarta-feira, 4 de abril de 2012

Quinta-feira Santa - Reflexão




  Esta é a noite da nova aliança com o povo de Deus. A ceia na qual Jesus entrega seu corpo e sangue e pede que o façamos o mesmo. A entrega de Jesus foi intensa e verdadeira, foi feita com um amor que nunca se viu igual, inexplicável, inigualável e Divino. Mas mesmo sendo feita com tanto amor não escapou do sofrimento e das tentações, não escapou do abandono, nem dos julgamentos errôneos. Mas “Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (João 13.1). 


  A tradicional ceia dos judeus é realizada por Jesus junto com seus discípulos, mas nesta ceia o cordeiro é o próprio Cristo que se entrega para que todos experimentem e conheçam o amor incondicional de Deus para com a humanidade. E Jesus pede: “Façam isto em memória de mim”, pois, sendo alimentados por este amor, alimentemos nossos irmãos, afim de que todos participem do banquete da vida eterna. Conforme o pedido de Cristo, sejamos nós também cordeiros de Deus, doando nossas vidas, nosso sangue, nossa coragem e todos os nossos dons a serviço da humanidade e da criação, para que o Reino dos Céus aconteça aqui. 
  Após a Ceia "Ele pegou uma toalha e cingiu-se com ela. Depois colocou água numa bacia, e começou a lavar os pés dos discípulos e a enxugá-los com a toalha com que estava cingido"(Jo 13, 4-5). Os discípulos resistem. Pedro reage fortemente. Ele expressa o que provavelmente está no coração de cada um dos discípulos. A mesma resistência que talvez esteja em cada um de nós.    O que diríamos nós se Jesus, Nosso Senhor, aparecesse diante de nós e começasse a lavar nossa roupa ou limpar nossa casa? Não ficaríamos acanhados e chocados? Nós certamente diríamos a Jesus para sentar na sala de estar e serviríamos tudo que Ele desejasse. Ele chegou junto a Pedro e este disse "Senhor, vais lavar os meus pés? E Jesus respondeu: "Tu não sabes o que estou fazendo, depois irás compreender." Pedro então respondeu: "Jamais lavarás os meus pés." Jesus respondeu "se eu não os lavar não terás parte comigo" (Jo 13,6-9).  


  Apesar de ter uma atitude humilde e submissa diante de Pedro, Jesus mantém sua autoridade. Ele fala seriamente "se eu não lavar os teus pés não terás parte comigo". Estas são palavras fortes que em uma linguagem simples significam: "se eu não posso lavar teus pés não serás mais meu amigo, meu discípulo. Não poderás entrar no meu reino e receber a minha herança. Tudo entre nós está terminado, podes ir embora." Ter os pés lavados por Jesus não é uma opção, é uma condição essencial para ser seu amigo, entrar no seu reino de amor.  
  Talvez isto tenha feito Pedro lembrar-se das palavras de Jesus ao chamá-lo de Pedro, e ao chamá-lo de Satanás, depois que se lamenta ao ouvir de Jesus o anúncio do seu sofrimento e morte (Jesus, voltando-se para Pedro, disse: "Retira-te de mim, satanás; tu serves-me de escândalo, porque não tens a sabedoria das coisas de Deus, mas das coisas dos homens". Mt 16,23). Palavras duras! Porque Jesus falou tão fortemente? Esta dureza esconde uma urgência e grande vulnerabilidade. Jesus está vulnerável.             
  Aceitar o caminho da dor e do sofrimento, dar a própria vida, aceitar com humildade, como um escravo, sem direitos, ficar no último lugar: tudo isto vai contra o desejo normal do coração humano. Nosso desejo é ser alguém, mostrar quem somos através de nossas origens, qualidades, capacidades e direitos básicos. Estar disposto a renunciar a tudo isto não é fácil para Jesus, pois Ele permanece humano, como todos nós, exceto em uma coisa, o pecado. Este é o caminho que nós como franciscanos devemos seguir, se colocar inteiramente à disposição do outro para servi-lo sem pedir algo em troca, fazer como São Francisco, se entregar do jeito que ele fez, se dispondo até de suas roupas para viver o evangelho. São exemplos que devem ser seguidos! 

Fraternalmente,
Maricélia Moraes Ribeiro
Secretária Regional - Oeste
Alessandra
Subsecretária Regional de Ação Evangelizadora - Oeste
O que achou?

0 comentários: