domingo, 1 de junho de 2014

CARTA DE DOM EDUARDO-CNBB AOS PÁROCOS E RESPONSÁVEIS PELA EVANGELIZAÇÃO DA JUVENTUDE NO BRASIL

Brasília, 1º de Junho de 2014. 

Caros párocos e demais responsáveis pela evangelização da juventude no Brasil. 
“… sobre esta pedra construirei a minha Igreja.” (Mt 16, 18)
Este é um mês rico em celebrações que fundamentam e alimentam nossa Igreja!

No dia 29, festejamos São Pedro e São Paulo. Sobre os apóstolos, a partir deles e com eles, Jesus Cristo construiu sua Igreja, “semente do Reino”, continuadora da sua obra. O desafio é grande, mas eles sabem que não estão sós! A Santíssima Trindade está na base de tudo (dia 15), o Espírito Santo conta com eles e lhes garante a força da unidade (dia 8), o Corpo Eucarístico de Cristo é alimento dos céus a estes operários da messe (dia 19), o Coração de Jesus (dia 27) é a fonte do amor missionário de serviço ao próximo.

Sustentada pela graça divina, a Igreja se estrutura para favorecer a comunhão, a capacitação e a missão dos discípulos do Senhor. As limitações individuais e as dificuldades de relacionamento dos primeiros seguidores do Mestre não o impediram de apostar no processo de amadurecimento de todos para a missão confiada. Aquela pequena estrutura criada garantiu a alegria da convivência, o desenvolvimento dos dons de cada um, o diálogo entre si, a corresponsabilidade das ações, a valorização do protagonismo daqueles homens, tornando-os verdadeiros apóstolos, profetas, mártires, líderes.

Acreditamos, ainda hoje, que as estruturas eclesiais com suas respectivas organizações são espaços privilegiados de formação, ambientes propícios de fortalecimento dos sujeitos da evangelização. São, também, para os jovens: casas e escolas de liderança, celeiros de vocações, formadoras de cidadãos comprometidos com a transformação da realidade. Qualificar nossas estruturas com esta finalidade se torna, portanto, fundamental na evangelização da juventude. Mais do que qualquer outro grupo, as novas gerações têm o direito de encontrar em nossos espaços eclesiais condições favoráveis para seu desenvolvimento! Por isso, devemos sempre nos perguntar: “estamos formando líderes a partir de nossas estruturas, confiando aos jovens responsabilidades que os valorizem em seu protagonismo? Acreditamos em sua capacidade de coordenação, atuação, crítica construtiva, administração?”.

“Participando das estruturas da organização, o jovem desenvolve importantes habilidades de liderança, capacidade de escutar os outros, de superar a timidez e falar em público, de organizar e comunicar suas ideias de maneira sistematizada, de conduzir uma reunião, de analisar criticamente a sociedade ao seu redor, de motivar e acompanhar processos individuais e grupais, de planejar e avaliar a ação pastoral” (Doc. 85, n. 191)

Ao refletir sobre o legado da JMJ para o amadurecimento do jovem líder em nossos meios, o Encontro de Revitalização da Pastoral Juvenil no Brasil, acontecido em dezembro passado à luz do Documento 85 da CNBB, destacou a 5ª. Linha de Ação – ESTRUTURAS DE ACOMPANHAMENTO – como uma de suas urgências pastorais. E definiu, assim, para os próximos anos, as duas PISTAS DE AÇÃO:

      1º.    estimular os responsáveis pelo acompanhamento da pastoral juvenil a estudar os materiais existentes sobre juventude, por meio de Escolas de Formação; 
       2º.    organizar e articular o Setor Juventude, conforme o documento “Evangelização da   Juventude”, com clareza de objetivos e funções, respeitando e promovendo as diversas expressões e o protagonismo juvenil.

A primeira pista destaca a urgência de os responsáveis da juventude capacitarem-se tecnicamente para utilizar melhor as estruturas como instrumento de formação de liderança, com novas formas de envolvimento dos jovens no contexto eclesial, favorecendo-lhes condições para seu crescimento como cristão e cidadão. A segunda pista, a mais votada, recorda a urgência de organizar bem o Setor Diocesano da Juventude, tornando-o espaço de comunhão das diversas expressões e serviços juvenis, a partir das adequadas orientações do Documento 85 da CNBB.

Estamos convictos do valor da vida em grupo! Por isso nos perguntamos se em todas as Comunidades pertencentes às nossas Paróquias há, no mínimo, um grupo de jovens. E será que as estruturas grupais contribuem, realmente, para a formação integral dos jovens? Nossos grupos possuem programação consistente e acompanhamento qualificado?

Constata-se, também, que muitos jovens têm amadurecido a consciência de sua corresponsabilidade na vida da Igreja. Mas será que estamos respondendo às suas expectativas e buscas e garantindo ambientes adequados para recebê-los?

Eis algumas sugestões para potencializar nossas estruturas a fim de acolher os jovens no seu amadurecimento para o exercício de sua liderança na Igreja e na sociedade:
1)    fazer um levantamento dos espaços paroquias próprios para a juventude e averiguar se eles são realmente suficientes, atraentes e formativos;
2)    incentivar grupos juvenis variados (teatro, esporte, dança, serviços sociais, bandas, redes sociais, etc) e investir neles, garantindo, ao menos, um grupo de jovens em cada uma das Comunidades pertencentes à Paróquia;
3)    reunir os principais líderes jovens da paróquia e, a partir deles, descobrir novas formas de atrair, reunir, envolver e capacitar os jovens sob a força de seu protagonismo;
4)    rever a proposta pedagógica da Catequese de Crisma em vista de oferecer estratégias de organização de grupos de jovens, antes de receberem o Sacramento da Confirmação;
5)    capacitar o coordenador de grupo para dinamizar melhor as reuniões, tornando-as consistentes e cativantes;
6)    convidar líderes jovens para participar das instâncias paroquiais de reflexão e decisões, principalmente no Conselho Paroquial/Comunitário de Pastoral;
7)    organizar momentos de “escuta dos jovens”, fazendo com que os adultos se abram mais para as suas preocupações, sonhos, sugestões, críticas, observações, etc.;
8)    formar os jovens a partir de ações missionárias, trabalhos voluntários, serviços à  Igreja e à Sociedade;
9)    solicitar aos jovens, no exercício de seu protagonismo, sugestões em vista de qualificar a evangelização da juventude tendo em conta a cultura midiática e as redes sociais;
10) organizar, a partir do protagonismo juvenil, um encontro anual de todos os adolescentes e jovens envolvidos nos diversos grupos paroquiais.

Em época de Copa do Mundo, constatamos inúmeras estruturas sendo organizadas para a sua realização. Quanto mais se acredita em algo, mais se investe nele! Aprendamos a investir mais nas estruturas eclesiais favoráveis aos jovens na sua busca de vitória na vida. Jovens entusiasmados por Jesus Cristo e pela missão de sua Igreja tornam-se verdadeiros evangelizadores, protagonistas de um novo tempo, construtores da Civilização do Amor, profetas da paz.

Que o Sagrado Coração de Jesus (dia 27) e o Imaculado Coração de Maria (dia 28) nos ensinem a amar profundamente os jovens; e que este amor afetivo se transforme, cada vez mais, em amor efetivo estrutural a favor de sua vida e vocação.

Dom Eduardo Pinheiro da Silva, sdb
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB

(Fonte:JovensConectados)
O que achou?

0 comentários: