sexta-feira, 5 de abril de 2013

Papa João XXIII - Mediador da Paz



Cidade do Vaticano – Era o ano de 1962. O mundo estava mergulhado na Guerra Fria. Em 15 de outubro um avião espião norte-americano U-2 detecta a presença de mísseis sendo posicionados em diversos locais da Ilha de Cuba. No dia 22, o presidente John Kennedy faz um pronunciamento em cadeia de Rádio e televisão anunciando que navios soviéticos se dirigiam à Ilha para armas com ogivas nucleares os mísseis existentes na Ilha, a poucas dezenas de quilômetros da costa dos Estados Unidos. A tensão crescia e o desencadear de um conflito nuclear era eminente.

Foi então que o presidente norte-americano se dirigiu a João XXIII pedindo a sua mediação entre a Casa Branca e o Kremlim, acreditando que um apelo do Papa poderia resolver a crise. João XXIII, profundamente sensibilizado pelo pedido, enviou uma carta aos presidentes da União Soviética Nikita Krushev e dos Estados Unidos John Kennedy e lançou um apelo público à paz, através dos microfones da Rádio Vaticano, Um apelo vibrante que tocou a consciência de milhões de pessoas sem distinção de credo:

Papa João XXIII: “Paz! Paz! Nós renovamos hoje esta solene súplica. Nós suplicamos a todos os governantes a que não fiquem surdos a este grito da humanidade. Que façam tudo aquilo que está ao seu alcance para salvarem a paz. Evitarão assim ao mundo os horrores de uma guerra, da qual não se pode prever quais serão as terríveis consequências.”

A crise dos mísseis de Cuba explodiu exatamente no período em que o mundo olha com renovada esperança ao futuro graças ao início do Concílio Vaticano II: “No coração e também no Magistério de João XXIII, o Concílio e a paz eram dois temas extremamente unidos.

A experiência dramática da crise de Cuba convence ainda mais João XXIII da urgência de um renovado compromisso com a paz de todas as pessoas de boa vontade. Desta consciência, nasce em abril de 1963 a Encíclica Pacem in terris, quase um testamento espiritual de Angelo Roncalli. O Papa intervém pessoalmente na sua redação, pois se tratava de algo novo, que era difícil exprimir e ele queria que fosse algo claro para todos. João XXIII vem a falecer 2 dias após.

Fonte: Rádio Vaticano
O que achou?

2 comentários:

Glauco Nascimento disse...

Paz na Terra aos homens de boa vontade. Às vezes, muitos seres humanos não se dão conta de que o mundo todo fica por um fio à mercê de um horror como a guerra. Mas a Fé, a Esperança e o Amor a Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo e também ao nosso próximo não podem morrer jamais. Obrigado Senhor, obrigado Nossa Senhora por nossas vidas e por existir o amor, principalmente o amor. DEUS ABENÇOE A JMJ. Devemos tentar fazer um mundo melhor para todos.DEUS ABENÇOE AOS JOVENS DO MUNDO TODO. Salve o Papa João XXIII, Papa João Paulo II e Seja muito bem-vindoo Papa Francisco.
Abraços Fraternos a todos.

Glauco Nascimento disse...

Paz na Terra aos homens de boa vontade.
Graças ao Amor, a Fé e a Esperança em Deus fazem com que estejamos aqui hoje.
Salve o Papa João XXIII, o Papa João Paulo II.
Seja bem vindo Papa Francisco.
Deus abençoe a JMJ.
Que a Juventude seja plena nos jovens do mundo todo e que o Amor, a Fé e Esperança não se percam jamais em nossos corações.
"Toda hora e todo dia de mãos dadas com Maria" (assim disse nosso querido Padre Quinha).
Abraços a todos.