sábado, 16 de junho de 2012

Franciscanos e Franciscanas marcam presença na Rio+20 e na Cúpula dos Povos


 

Iniciou hoje, 15 de junho, no Rio de Janeiro, a Cúpula dos Povos por Justiça Social e Ambiental, Contra a Mercantilização da Vida e em Defesa dos Bens Comuns, processo paralelo à Conferência Mundial da Organização das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). A Cúpula acontece do dia 15 a 23 de junho, no Aterro do Flamengo, região central do RJ. Conheça a programação geral e atividades que estão relacionadas a presença franciscana na Cúpula: Clique aqui.
Franciscanos e Franciscanas dos continentes, europeu, africano, americano e asiático, de diversas ordens, congregação e instituições, entre religiosos (as) e leigos (as), realizaram, no bairro da Tijuca (onde estão hospedados), na manhã do dia 15, um encontro para a interação entre as culturas e a apresentação dos temas, conteúdos e programação correlacionados tanto no debate da Conferência da ONU – Rio+20, como da Cúpula dos Povos.

 

De acordo com o diretor geral da Comissão Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC), da Ordem dos Frades Menores (OFM), ao falar para o grupo, ele recordou que, como parte do carisma franciscano, o tema da ecologia, especificamente, o da justiça ambiental, tem se tornado uma preocupação entre os franciscanos do mundo. Por isso, como família franciscana decidiram que seria de fundamental importância a presença no Rio de janeiro para o evento da Cúpula dos Povos e do processo oficial da ONU, a Rio+20. “Estamos preocupados com as questões ambientais. Vivendo em uma crise. O nosso estilo de vida, de nos organizarmos economicamente e socialmente está criando muitos problemas para a mãe terra. Como franciscanos temos uma preocupação, com o nosso planeta e com todas as criatura que Deus criou”, expressou.



A antropóloga e diretora do Instituto Brasileiro de análises Sociais e Econômicas (Ibase), Moema Miranda, foi convidada para contextualizar os franciscanos sobre o processo de construção da Cúpula dos Povos. Ela explicou que a Cúpula e o Fórum Social Mundial (FSM) têm em comum o fato de que são espaços que surgem como provocação dos movimentos e organizações sociais que apontam uma alternativa expressada no ideal de que “um outro mundo possível”, frente às afirmações daqueles que defendiam o neoliberalismo e, hoje, impulsionam a implementação da Economia Verde como estratégia de “desenvolvimentos sustentável”.

   

Frei Rozasky reforçou que o mais importante para os franciscanos nessa participação da Rio+20 e Cúpula é conhecer o conteúdo dos debates para que cada um, ao retornar para os seus países, tenham a capacidade e o instrumento para promover a discussão sobre a justiça ambiental. “Queremos ajudar na formação de todas as pessoas com quem trabalhamos a apontar ações concretas que podemos tomar para enfrentar a crise que estamos passando. Rozasky concluiu afirmando que, como família franciscana temos a certeza que nossa tradição tem algo para oferecer ao mundo no enfrentamento da crise e, por isso, estamos já pensando como vamos nos organizar pós Rio+20”.

Para ler a matéria na íntegra, acesse: www.sinfrajupe.wordpress.com
O que achou?

0 comentários: