terça-feira, 27 de julho de 2010

3º Encontro de Jovens Nordestinos/as pela Paz

“Se a juventude viesse a faltar, o rosto de Deus iria mudar.” (Jorge Trevisol)

Reunindo cerca de 300 jovens de diversos estados do Nordeste, foi realizado de 23 a 25/07/2010 em Timon/MA, o 3º Encontro de Jovens Nordestinos/as pela Paz. O evento é promovido anualmente pelo Centro da Juventude para a Paz (CEJUPAZ), com o apoio dos Missionários Combonianos da Província Brasil/Nordeste, e este ano teve como tema principal: “Juventude e Políticas Públicas” e o lema: “Pelo Direito de Ser Jovem!”.

Durante os três dias do III EJNP as/os jovens, que foram acolhidas/os com hospedagem nas casas das famílias das Comunidades, discutiram diversas temáticas referentes ao mundo juvenil e a construção da cultura de paz, foram eles: Identidade, Participação, Direitos, Trabalho, Educação, Segurança, Família e Mídia. A metodologia do Encontro contou com mesas redondas, oficinas, vivências de mística e muita animação.

Coincidentemente, participaram quatro irmãos/ã jufristas do Encontro, foram eles/a: Alan de Sousa (Subsecretário de Comunicação e Escrituração do Regional NE A2), Jussara Santiago (Subsecretária de Ação e Evangelizadora Local) e Salustiano Fichell (jufrista iniciante), todos/a da Fraternidade Morada Nova, de Teresina/PI, e o irmão Elson Matias (Subsecretário de DHJUPIC da JUFRA do Brasil), da Fraternidade Irmão Sol com Irmã Lua, de Santa Rita/PB.

Na ocasião, as/os jovens firmaram juntas/os alguns compromissos, dos quais se destacam a participação na Campanha Nacional Contra a Violência e o Extermínio de Jovens, promovida pelas Pastorais de Juventude do Brasil, e a construção do Plebiscito Popular Nacional pelo Limite da Propriedade da Terra, além dos diversos encaminhamentos no que se refere a formação, organização e lutas.

Com a força do axé do povo negro, a resistência dos povos indígenas e a luta de todas/os as/os trabalhadoras/os, o encontro foi concluído com o envio das/os jovens para seus municípios de origem, onde farão e fazem acontecer a Paz como fruto da Justiça.
O que achou?

0 comentários: