sábado, 8 de maio de 2010

MÃES DE CORAÇÃO FRANCISCANO

Uma das pessoas mais importantes de nossa vida e do mundo é, sem dúvida, a figura da mãe. O tema é vasto e polêmico e pode ser visto de diferentes maneiras. Não podemos fazer coro com a sociedade de consumo que, de modo particular no mês de maio, faz das mães objeto de consumo. As lojas mais simples e aquelas de grife esperam sempre um faturamento excepcional por ocasião da festa das mães. Querem aumentar suas vendas de não sei quantos por cento... com relação ao ano passado....Por isso, nesse tempo cortejam a mãe...simplesmente por interesse...

Ser mãe não é uma fatalidade, mas uma vocação. Não basta apenas gerar o corpo da criança. A mãe ( e também o pai) estarão ao lado dos filhos até que esses possam ser pessoas de pé e mesmo depois. A mãe dá suas proteínas e sais minerais, coloca a criança no mundo e, de perto e de longe, acompanha seus passos e descompassos. Deus sabe como é difícil hoje colocar um filho no mundo e sobretudo educá-lo conforme as coisas do bom senso e do Evangelho, da sabedoria e do Coração de Deus.

Há essas preocupações dos primeiros tempos. Há a inexperiência do primeiro filho. Há o cansaço devido ao trabalho fora de casa. Há um marido que pode se fazer presente na vida do lar ou então se omitir completamente. Insistimos: ser mãe não é fatalidade. É uma decisão. A criança só pode chegar ao mundo quando puder se acolhida numa casa, num lar onde pai e mãe se estimam e estão ali para acolher o mistério da pessoa de cada filhos.

Precisamos sempre de novo insistir no tema das mães cristãs. O mundo vive um momento de transformação e, no seio da família, ainda é possível transmitir os elementos necessários para que as crianças aceitem a fé cristã em suas vidas. No meio de tanta perplexidade será importante que as crianças tenham um ponto de referência cristã na figura de suas mães. A mãe será, antes de tudo, uma discípula de Jesus e não apenas alguém que tem sentimentos religiosos mais ou menos vagos. Insistimos: que a mãe seja discípula de Jesus. Ela poderá e deverá se revestir das cores e dos traços do Evangelho: despojamento, serviço, disponibilidade, humildade, simplicidade, espírito de perdão e misericórdia. A mãe cristã respeita a liberdade dos filhos, se faz discretamente presente em sua história e em sua vida, tem a habilidade de mostrar aos filhos, sobretudo pelo seu testemunho, que Cristo é o sentido de sua vida e pode ter também deles, desses que são seus filhos.

Num mundo de indiferentismo a mãe franciscana saberá dizer que os irmãos, as pessoas se amem precisamente com um amor de mãe como Francisco queria que os frades se amassem.

Franciscanamente a mãe transmite carinho pela Eucaristia e fé nos sacerdotes, como era o estilo de Francisco. Ela leva os filhos ao templo, aponta para a lamparina vermelha e pede que os filhos aprendam aquela belíssima oração: “Nós vos adoramos, Santíssimo Senhor Jesus....”.

A mãe franciscana ensina aos filhos o cuidado pelos mais abandonados, assim como Francisco cuidou dos leprosos. Muitas vezes ele os leva até certos lugares onde possam ser consolo dos que sofrem e voz dos sem voz.

Uma mãe franciscana, neste tempo de desrespeito pela natureza, pelo criado, pelas matas e pela água cria em casa um senso aguçado de atenção pela conservação e preservação da natureza. Num mundo de consumo, numa sociedade que transforma as pessoas em objeto de consumo, a mãe franciscana vive a simplicidade, a partilha, o despojamento, a parcimônia...Os filhos não serão melhores porque fizeram viagens a Disney World. Não dá mais para ver essas mães que fazem de seus filhos escravos da aparência e gente sem personalidade.

A mães da terra trazem em seu semblante traços da mãe de Jesus, de Maria de Nazaré.

Desejamos a todas as mães, em especial as franciscanas, um dia repleto de bençãos e graças e que nós filhos jufristas ou não reconheçamos nelas o verdadeiro sentimento do amor e do carinho que recebemos todos os dias, não esquecendo da nossa Mãe dos Céus, Maria.

Abraço a todos e FELIZ DIA DAS MÃES!

Sandolini Assunção Braga
Subsecretário Nacional de Ação Evangelizadora



O que achou?

0 comentários: