terça-feira, 30 de maio de 2006

Mensagem aos jufristas do Brasil por ocasião do dia de Pentecostes

Domingo de Pentecostes a festa do Espírito Santo
O Espírito é o Único que pode ajudar ás pessoas e as comunidades a libertarem-se dos velhos e novos determinismos guiando-os com a lei do espírito que dá a vida em Cristo Jesus.
João Paulo II

A Páscoa, a principal festa do cristianismo, é a celebração, que atualiza o mistério pascal de Jesus em sua passagem desse mundo para a vida plena e definitiva em Deus, o (a) cristão (ã) renova sua fé na certeza da Ressurreição. Tal convicção fortalece sua esperança e enche de sentido a sua vida, lançando-o (a) no testemunho do Ressuscitado. Focalizaremos agora o evento de Pentecostes (At 2,1-12) e prosseguimos nessa mesma perspectiva de testemunhar o dom Pascal. Que o Espírito nos ajude a compreendê-lo em profundidade. Procuremos, então, mergulhar no horizonte do Espírito, buscando compreender o significado de Pentecostes.
A solenidade de Pentecostes encerra o tempo Pascal. Esse é um tempo especial, diferente dos outros tempos litúrgicos. Embora sua duração seja de 50 dias, podemos considerá-lo como um dia celeste ou um dia de eternidade, inserido na trama do tempo terreno. E, durante esse dia, que vai do Domingo da Ressurreição até o Domingo de Pentecostes, a Igreja faz a experiência, nos limites do possível, da vida eterna, glorificada, inaugurada por Jesus de Nazaré, o primogênito de Deus Pai. A experiência da Ressurreição de Jesus abriu-nos definitivamente a porta de acesso à vida eterna.
Qual é o sentido de Pentecostes? O que a narrativa dos Atos dos apóstolos nos sugere? Entre outros aspectos ou sentidos, nela encontramos, em destaque, o sentido da universalidade. Outro aspecto interessante desse livro é o dom do próprio Espírito. Lucas, ao colocar o dom do Espírito nessa festa, faz com que todas as nações façam parte do povo de Deus, estabelecendo a plenitude da Aliança. Floresce, portanto, a comunidade profética, já desejada no Antigo Testamento: “Oxalá todo o povo fosse profeta e recebesse o Espírito do Senhor” (Nm 11,29).
Quem é o Espírito Santo?
O Espírito Santo é a "Terceira Pessoa da Santíssima Trindade". Quer dizer, havendo um só Deus, existem nele três pessoas diferentes: Pai, Filho e Espírito Santo. Esta verdade foi revelada por Jesus em seu Evangelho. Pelo Espírito Santo nós podemos dizer que "Jesus é o Senhor", quer dizer para entrar em contato com Cristo é necessário Ter sido atraído pelo Espírito Santo.
A partir do Batismo, o Espírito divino habita no cristão como em seu templo. Graças à força do Espírito que habita em nós, o Pai e o Filho vêm também habitar em cada um de nós.
É o Dom do Espírito Santo que:
Nos eleva e assimila a Deus em nosso ser e em nossas ações;
Nos permite conhecê-lo e amá-lo;
Faz com que nos abramos às divinas pessoas e que estas fiquem em nós.
A vida do cristão é uma existência espiritual, uma vida animada e guiada pelo Espírito para a santidade ou perfeição da caridade.Graças ao Espírito Santo e guiado por Ele, o cristão tem a força necessária para lutar contra tudo o que se opõe à vontade de Deus.
O Espírito nos ensina também que a sua manifestação se dá nas coisas e fatos simples do dia a dia. Está presente nas pequenas conquistas da nossa comunidade, da sociedade, da nossa família. É reconhecido também quando compreendemos a linguagem de Deus, que ecoa nos gestos que contribuem para a construção do seu Reino. Por exemplo, nas diferentes manifestações de solidariedade, em que entra a defesa da vida e a promoção da justiça e da paz. Notamos que Lucas traz uma riqueza de símbolos e elementos para fundamentar a nossa vivência comunitária, mergulhada na força do Espírito. Ele nos impulsiona a buscar formas e meios para anunciar Jesus Cristo e viver sua proposta, reunindo assim todos os povos para celebrar a Aliança.
Portanto, cabe a nós, hoje, estender os dons e frutos de Pentecostes ao nosso contexto globalizado, a começar pelas realidades mais simples do dia a dia, com as quais nos confrontamos. Que Maria esposa do Espírito Santo e Rainha dos Apóstolos nos ensine a abrir-nos totalmente à ação do Espírito e que Ele possa nos revelar, a partir do cotidiano, o que Deus quer e espera de nós, de cada pessoa e da humanidade inteira.

Fortaleza, 5 de maio de 2006
Marcio William Alencar de Castro - Subsecretario Nacional de Ação Evangelizadora
O que achou?

0 comentários: