quinta-feira, 15 de agosto de 2019

QUARESMA DE SÃO MIGUEL




Paz e Bem irmãos e irmãs!!! 

Dos dias 15 de agosto a 29 de setembro: realizamos a Quaresma do arcanjo São Miguel.
Herdamos de nosso Pai São Francisco esta devoção especial pelo arcanjo. 

Durante esse período, ele buscava lugares afastados para ficar a sós com Deus num grande retiro contemplativo. Foi numa dessas quaresmas, precisamente em 1224, estando em contemplação no Monte Alverne, que ele recebeu em seu santo corpo as cinco chagas de nosso Senhor Jesus Cristo. 

Como seguidores do seráfico Pobrezinho de Assis, façamos também nós esse tempo de recolhimento espiritual. 


BAIXE O ARQUIVO >>>

domingo, 11 de agosto de 2019

SANTA CLARA DE ASSIS E A SINGULARIDADE FEMININA






SANTA CLARA DE ASSIS E A SINGULARIDADE FEMININA:
OLHAR, CONSIDERAR, CONTEMPLAR

Contextualizando
O tempo de Clara de Assis pertence a um dos períodos mais dinâmicos da história do Ocidente, marcado por grandes e decisivas mudanças nas diferentes áreas do saber, da convivência e da ação humana.
Percebe-se uma riqueza sem fim de pessoas e de acontecimentos, um fervor criativo. Surgem as Comunas livres e associações, cidades e comércios, cruzadas e peregrinações, catedrais e universidades... Alguns elementos que ajudam a definir a Idade Média - que vai do século XI a meados do século XIV.
Nesse contexto, os setores da Igreja sentem-se desafiados a retornar às fontes originais da vida cristã e a expressar a própria fé de uma forma nova. Abre-se na Igreja Ocidental, um novo “tempo evangélico”, marcado por duas características fundamentais: a pregação da Palavra e a vivência da pobreza. A chamada “vida apostólica” é redefinida a partir do Evangelho e busca de uma vivência cristã mais intensa, não só por parte do clero, mas, principalmente, por muitos leigos e leigas.
 A grande participação das mulheres é um dos fenômenos mais significativos da história da Igreja Medieval. Clara de Assis não é uma estrela solitária. Tem seu brilho próprio, mas soma sua luz àquela de “uma multidão de mulheres” que a partir do final do século XI sentem-se igualmente atraídas pela novidade do Evangelho.
Esse despertar evangélico trouxe grande vitalidade para a Igreja. Ao lado da renovação monástica, surgiu nova forma de vida apostólica, centrada na pregação e na pobreza. Os principais protagonistas deste movimento eram eremitas ou penitentes, leigos/as que se propunham seguir Jesus Cristo pobre, assumindo o Evangelho como regra de vida.
A sensibilidade evangélica que acentuava a pobreza e a pregação estava apontando um novo modelo de vida apostólica, que ia além do mosteiro ou do ermo e se voltava para o mundo.
Durante o séc. XI e até metade do séc. XII, permanecia a convicção de que a vida religiosa tinha o seu modelo na vida monástica. A compreensão era de que dois caminhos eram possíveis para as mulheres: matrimônio ou vida monástica.

Espiritualidade e santidade femininas
É comum pensar a Idade Média como um tempo de submissão feminina a tudo o que era prescrito pelos homens. Contudo, o campo da espiritualidade constitui um exemplo claro da luta feminina por autonomia e liberdade. Muitas mulheres romperam com o modelo tradicional e buscaram a Deus por outros caminhos mais adequados à própria sensibilidade, inteligência e capacidade de amar.
A grande motivação que levava as mulheres religiosas a assumirem a pobreza como forma de vida era o seguimento a Jesus Cristo pobre, a expressão concreta desta pobreza incluía a solidariedade com os pobres e excluídos da sociedade, por amor ao mesmo Jesus Cristo que neles se fazia presente.
A vocação de Clara aparece como uma alternativa de vida cristã, em meio à inquietude feminina dos séculos XII e XIII. Como outras tantas mulheres de seu tempo, Clara foge ao modelo de vida cristã familiar e ao modelo monástico para responder ao chamado de Jesus Cristo de uma forma nova, centrada na vivência da pobreza evangélica, à semelhança dos primeiros discípulos.
Clara inova também em relação aos movimentos religiosos femininos de sua época. Não repete simplesmente o que já existia. A partir de suas convicções a respeito do seguimento de Jesus Cristo e da inquietação que lhe vem de Francisco, encontra um caminho que se torna alternativa para muitas outras mulheres.

No Testamento, Clara destaca três aspectos que contribuíram e que fazem parte de sua vocação, conversão: a iniciativa de Deus, a mediação de Francisco e o seguimento de Jesus Cristo como Caminho:

         - “Entre outros benefícios que temos recebido e ainda recebemos diariamente da generosidade do Pai de toda misericórdia e pelos quais temos que agradecer está a nossa vocação que, quanto maior e mais perfeita, mais a Ele é devida (TestC 2s)

         - Depois que o altíssimo Pai celestial, por sua misericórdia e graça, se dignou iluminar o meu coração para fazer penitência, segundo o exemplo e ensino de nosso bem-aventurado pai Francisco, pouco depois de sua conversão, com algumas irmãs que Deus me dera logo após a minha conversão, eu lhe prometi obediência voluntariamente (TestC 24s eRegC ,1)

         - O Filho de Deus fez-se Caminho, que nosso bem-aventurado pai Francisco, que o amou e seguiu de verdade, nos mostrou e ensinou por palavra e exemplo (TestC 5).

Clara de Assis percebeu a necessidade e urgência de vivenciar e seguir o Cristo Pobre e Crucificado. Ela assumiu este valor como centro de sua experiência cristã: Seguir Jesus Cristo pobre e crucificado, o Filho de Deus que se fez Caminho ao assumir a condição humana na forma de Servo, para trazer ao mundo a graça e a misericórdia de Deus.
Clara compartilha a mesma experiência de Francisco. Foi ele quem lhe mostrou o Caminho, com palavras e exemplos (TestC 5). Contudo, a forma de Clara ver Jesus Cristo e de segui-lo tem algo muito original. Ela não copiou e nem imitou Francisco. Clara se movimentou com liberdade, guiada pelo mesmo Espírito que chamou ambos para fazer penitência. (Test. C 24).
O seguimento de Jesus Cristo, pobre em Clara de Assis, tem forte dimensão contemplativa. Ela escreve para Inês de Praga na sua quarta carta:
Abrace o Cristo pobre como uma virgem pobre. Veja como por você ele se fez desprezível e siga-o. Com o desejo de imitá-lo, nobre rainha, olhe, considere, contemple o seu esposo, o mais belo entre os filhos dos homens que se tornou por sua salvação o mais vil de todos, desprezado, ferido e tão flagelado em todo o corpo, morrendo no meio das angustias próprias da cruz.
Se você sofrer com Ele, com ele vai reinar; se sofrer com ele, com ele vai se alegrar, se morrer com ele na cruz das tribulações, vai ter com ele a mansão celeste junto aos santos.
        
Por que Clara faz uso do espelho?
Clara usa a metáfora do espelho para apontar as três dimensões da vida de Jesus que dão sustentabilidade a sua mística.
Os persas e chineses foram os primeiros a usar o espelho de metal, em forma circular. Através do Egito, o espelho chegou a Síria e Palestina no séc XIII aC. O Antigo Testamento conhece os espelhos de bronze para uso pessoal das mulheres (Ex. 38,8) Diversos textos bíblicos se referem aos espelhos de metal, de maneira simbólica: Jó 37, 18; Sab 7,26; 2Cor 3, 18; 1Cor 13,12. 
Na literatura da Idade Média a metáfora do espelho é muito usada. H. Grabes enumera mais de 250 obras medievais que trazem no título a palavra espelho. Muitos Padres da Igreja e autores medievais usam a simbologia do espelho para falar do conhecimento. 
Clara não desconhece este sentido, porém, para ela não se destaca a razão, mas o coração, os olhos, o desejo. Por isso o espelho clareano é mais do que um símbolo; é sacramento de uma presença!
Na quarta carta de Clara à Inês de Praga encontramos esse objeto tão comum na literatura de seu tempo. Na carta ela diz:
“Olhe dentro desse espelho todos os dias, ó rainha, esposa de Jesus Cristo, e espelhe nele, sem cessar, o seu rosto, para enfeitar-se toda, interior e exteriormente, vestida e cingida de variedade, ornada também com flores e roupas das virtudes, todas, ó filha e esposa caríssima do sumo Rei.”
Nesta carta ela revela o seu jeito de contemplar a presença física de Jesus em nosso meio, pois nesse espelho resplandecem a bem-aventurada pobreza, a santa humildade e a inefável caridade. No seguinte trecho, ela trata da questão do espelho de uma forma singular:

Preste atenção no princípio do espelho: a pobreza daquele que envolto em panos, foi posto no presépio! Admirável humildade, estupenda pobreza. O Rei dos anjos repousa numa manjedoura.

No meio do espelho, considere a humildade, ou pelo menos a bem-aventurada pobreza, as fadigas sem conta e as penas que suportou pela redenção do gênero humano.

No fim desse mesmo espelho, contemple a caridade inefável com que quis padecer no lenho da cruz e nela morrer a morte mais vergonhosa.

Interessante que Clara não se preocupa em descrever seu caminho de contemplação de maneira sistematizada, com finalidade pedagógica.
Ela simplesmente vive e compartilha com suas irmãs sua experiência, em particular com sua amiga Inês de Praga. É através das cinco cartas escritas, 04 a Inês de Praga e 01 a Ementrudes de Bruges, que se pode perceber o caminho espiritual percorrido por Clara. Descobre-se que se trata de uma grande mestra espiritual, de alguém que abriu caminhos e que teve muitas seguidoras, até hoje. Alguém que atravessou os tempos e chegou até nossos dias trazendo um caminho bem concreto para quem quer seguir com fidelidade os passos de Jesus Cristo.
Seu método é simples, como foi simples toda a sua vida: Olhar, considerar, contemplar. A via de Clara é o mistério da encarnação do Verbo, sintetizada no presépio, na vida pública e na cruz.
Nos últimos séculos, entendeu-se a vida contemplativa como um determinado tipo de vida consagrada na Igreja. Os carismas das diversas ordens e institutos religiosos foram classificados em contemplativos e apostólicos, com base numa compreensão de reconhecer Jesus orante e o Jesus como pastor que anuncia o Reino de Deus. Esta visão redutiva trouxe prejuízo para a Igreja, pois dispensou a grande maioria dos cristãos a buscar a contemplação como experiência de vida cristã.
Os tempos atuais trouxeram de volta o valor, o sentido e a possibilidade da contemplação em qualquer estilo de vida no horizonte do seguimento de Jesus Cristo e do compromisso com a causa do Reino. Nesse sentido, Clara de Assis tem um grande ensinamento a nos dar. Para ela a contemplação não é algo separado da vida e dos afazeres do cotidiano. Sua contemplação está em sua opção radical por Jesus Cristo.

Texto elaborado por Irmã Maria Aroni Rauen, a partir do livro
“O Seguimento de Jesus Cristo em Clara de Assis” de Delir Brunelli, cf.

sábado, 10 de agosto de 2019

RELANÇAMENTO REDE DE BENFEITORES



CARTA DE APRESENTAÇÃO DA REDE DE BENFEITORES 


Caríssimas irmãs e caríssimos irmãos, é com muita alegria que nos apresentamos neste dia, mais que especial, para conversamos um pouco sobre a Juventude Franciscana do Brasil. Sabemos e entendemos que ser profeta nos dias de hoje está cada vez mais complexo, nos falta investimento e em muitas das vezes recursos para realizarmos nossas atividades junto aos diversos níveis da Juventude Franciscana, ressaltamos ainda toda a expressão territorial do nosso imenso Brasil. 

Contudo, abraçamos e sonhamos no último triênio (2016 - 2019) um projeto que vem nos auxiliando junto a esse desafio, e que neste triênio (2019 - 2022) estamos trabalhando no seu desenvolvimento e articulação para melhorar o contato e o diálogo entre os nossos Benfeitores e Jufristas. 

“A Juventude Franciscana é um ideal luminoso de vida” assim falava o Santo Papa João Paulo II em maio de 1998, e diante dessa mesma alegria fraterna em poder sermos presença junto aos nossos serviços missionários, que partimos para uma continuação desta que será uma grande Rede de Benfeitores que nos ajudará, não somente de forma financeira mas de forma espiritual com suas orações e preces por uma juventude mais ousada e consciente diante de seu papel em meio a igreja e a sociedade.

Assumimos um compromisso, e “QUEREMOS SER testemunhas concretas no ambiente onde estivermos inseridos, com tudo aquilo que a nossa espiritualidade implica: alegria, serviço, compromisso e fraternidade.” (Carta de Guaratinguetá: A JUFRA que queremos ser, 2011). E nessa construção, você minha irmã e meu irmão, é uma peça fundamental desse alicerce de amor e esperança de uma juventude ousada. 

A experiência como Benfeitor desta Rede é algo bem simples, mas de forma ordenada e organizada, toda ajuda e doação é uma pequena semente que plantamos e esta pode ser realizada da forma como você entenda que seja melhor, indo desde a doação de valores mensais, bimestrais, trimestrais ou anual. Tudo se concretiza por meio de nosso cadastro em nosso site (www.jufrabrasil.org, na aba Benfeitores). 

Nosso diálogo se dar por meio dos canais de comunicação (e-mail: benfeitoresjufra@gmail.com e WhatsApp 89 98129-0269 / 89 9 9433 3291) além de estamos nas redes sociais divulgando de forma singela os nossos trabalhos (instagram: @jufrabenfeitores). 

Venha fazer parte, “[..] entra na roda com a gente também. Você é muito importante” (Música Momento Novo, Ernesto Cardoso). Vem, vamos conversar um pouco sobre a Juventude Franciscana do Brasil.

Fraternalmente;

Francisco Carlos Rocha, OFS/JUFRA
Assessor da Rede de Benfeitores JUFRA DO BRASIL

José Douglas Soares
Secretario Fraterno JUFRA DO BRASIL



CONFIRA O VÍDEO DE LANÇAMENTO: https://youtu.be/i-mWz5de92k

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

PROVOCAE IMMF 2019


| PROVOCAE IMMF 2019 |

❤ Estamos na semana do PROVOCAE! Nesta semana buscamos apresentar a novas crianças, adolescentes e jovens o carisma franciscano, assim como nos aprofundar neste, pois percebemos o quanto é bom se fazer menor e servir o outro.

Compreendemos que para amar precisamos conhecer e é por isso que a JUFRA do Brasil está lançando esse material tanto para a JUFRA quanto para a IMMF, para que todos conheçam a beleza e a riqueza que temos em nosso paı́s.

Pedimos aos irmãos e irmãs que divulguem e trabalhem esse material nas suas fraternidades locais. Tirando fotos e registrando o momento de todas as formas. Realizando também o Gesto Concreto contido no material.⠀

Utilizem as hashtags:⠀
#PROVOCAE2019 #VIPROVOCAE #AE #COMUNICAÇAO #SINODOAMAZONIA #CASACOMUM #LAUDATOSI #IMMF #JUFRADOBRASIL #PROVOCAEIMMF2019


BAIXE O MATERIAL AQUI:  https://drive.google.com/open?id=1GKzq_dInjlfRYEz1iyZYvcWwQ77_NRrW

#PROVOCAE2019



Irnãos e irmãs de todo o país, Paz e Bem!

Estamos lançando mais um material de promoção vocacional, o nosso VI PROVOCAE, que inspirados pelo Espírito Santo e pelo Sínodo da Amazônia traz o tema: "Amazônia e fraternidade: Novos caminhos para a comunicação integral" e o lema "Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda criatura" (Mc. 16, 15).

E junto com nossa "provocação" vem também um material todo especial elaborado para nossas crianças da IMMF, com uma reflexão toda especial.
Pedimos aos irmãos e irmãs que divulguem e trabalhem esse material nas suas fraternidades locais. Tirando fotos e registrando o momento de todas as formas. Realizando também o Gesto Concreto contido no material.

Utilizem as hashtags:
#PROVOCAE2019  #VIPROVOCAE #AE #COMUNICAÇAO #SINODOAMAZONIA #CASACOMUM #LAUDATOSI #IMMF #JUFRADOBRASIL

Paz e Bem!



BAIXE O MATERIAL AQUI! 

https://drive.google.com/open?id=1GKzq_dInjlfRYEz1iyZYvcWwQ77_NRrW

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

1º REUNIÃO PRESENCIAL DO TRIÊNIO 2019/2022



Nos próximos dias 02, 03 e 04 de Agosto a fraternidade nacional da Juventude Franciscana do Brasil se encontrará nas depêndencias da Fraternidade Santo Antônio do Pari – Ordem dos Frades Menores – Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil na cidade luz de São Paulo/SP, para a realização da Primeira Reunião presencial deste triênio.

Nessa reunião estará organizada de forma a contemplar as necessidades iniciais desta fraternidade nacional, entre elas: momentos de espiritualidade, fazer uma grande análise da realidade atual dos nossos regionais e serviços do SFN, proporcionar trocas de experiências entre os irmãos e planejar as principais atividades de cada secretaria/serviço com base nas prioridades, resoluções e recomendações do ultimo CONJUFRA em Anápolis-GO.

Contamos com a oração e sintonia de toda a JUFRA DO BRASIL para iluminar os irmãos do Secretáriado Fraterno Nacional nesse triênio que se inicia.

Paz & Bem!

segunda-feira, 29 de julho de 2019

CORJUFRA REGIONAL NE A1



Durante os dias 19 a 21 de julho  em São Luís/MA, as fraternidades do Regional NE A1 (Maranhão) estiveram reunidas em Congresso para avaliar a caminhada do último triênio e eleger irmãs e irmãos para dar continuidade na condução dos trabalhos deste regional.
Com o tema “Como em cada amanhecer uma luz volta a brilhar” e o lema “Do início ao fim, Deus espera por teu SIM” foram vividos momentos de motivação, convivência fraterna e reflexão tendo em vista a caminhada de Francisco e Clara. Como uma fraternidade regional a alegria deu o nome a este congresso.

Com a espera de Deus pelo SIM, as irmãs e irmãos foram chamados a servir, guiando  a caminhada à frente do Regional. Para tanto, foram eleitos:
Secretaria Fraterna Regional: Maiara Bulhão
Secretaria Regional de Formação: Ingrid Marques
Sec. Para o distrito I:Daiane Késsia
Sec. Para o distrito II: Letícia Glenda
Sec. Para o distrito III: Mayara Waléria
Sec. Para o distrito VI:Edwin Gessé

O distrito IV e V ficou como prioridade para o regional, que com o seu zelo fortalecerá e expandirá não só esse distrito, mas também todo o regional.

Que Deus abençoe esse triênio que se inicia...
Vai florescer, Maranhão! 🌺

Frateqrnalmente,
Mayra Caroliny de Oliveira Santos
Secretaria Nacional para a Área Nordeste A







quarta-feira, 24 de julho de 2019

ENCONTRO REGIONAL MG 2019



Paz e Bem,

A Juventude Franciscana de Minas Gerais esteve reunida entre os dias 19 a 21 de julho na fraternidade Monte Alverne da cidade de São João Del Rei/MG, para realização de mais um Encontro Regional, que teve como tema “Missão, um lugar de Comunhão” e lema “Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a língua, mas por atos e em verdade” 1 Jo 3,18.
Estiverem presentes oito fraternidades da JUFRA, fraternidades dos frades OFM, OFMcap e da OFS, sendo um total aproximado de 120 irmãos.

Durante o encontro pudemos refletir sobre a nossa caminhada missionária, com a reflexão conduzida por Washington Lima ex secretario fraterno nacional da JUFRA, ele ressalta que missão se faz a partir do nosso contexto local, e que a mesma não se mede em quilometragem ou metros quadrados, missão não tem um roteiro a ser seguido, também é seguir nosso ponto de partida que é Cristo, fazendo a opção de fato que ele fez, estar junto aos pobres, excluídos e colocados à margem da sociedade, missão também é respeitar o “local de fala” de cada irmão, e nos ressalta que Leonardo Boff diz; “Todo ponto de vista é à vista de um ponto”, nos mostrando que cada um tem uma missão a ser seguida e a partir da experiência de cada um.

Durante o encontro também pudemos conhecer diversas realidades e trabalhos sociais daquela cidade, trabalhos tais como, Agroecologia, APAC (método diferente de se cumprir pena, de forma mais justa, humana, econômica quebrando todo sistema que exclui e mata), abrigos, albergue, manifestação cultural e religiosa afro brasileira e grupo de mulheres que através da produção de quitandas se auto sustentam, fugindo do sistema econômico convencional e trabalhando com a economia solidária.

Por fim, também houve a avalição deste encontro com uma roda de conversa e discussão, dentro da perspectiva e a luz do tema central do encontro, posteriormente escolhemos como próxima sede do Encontro Regional 2020 a Fraternidade Nossa Senhora dos Anjos de Lagoa Formosa.

Agradecemos as colaborações e orações, para que nossa fraternidade regional pudesse realizar este encontro.

Fraternalmente,

JUVENTUDE FRANCISCANA DE MINAS GERAIS – Regional SUDESTE I

sexta-feira, 19 de julho de 2019

NOTA DE FALECIMENTO - Felipe Viveiros da Rocha




“Louvado sejas, meu Senhor, por nossa irmã a Morte corporal... Felizes os que ela achar conformes à Tua santíssima vontade, porque a morte segunda não lhes fará mal”.
Cântico das Criaturas
Com muita tristeza, recebemos na noite de ontem a notícia do falecimento precoce do nosso irmão Felipe Viveiros da Rocha, da fraternidade Santíssima Trindade - Florianópolis, Regional Sul 2 (Santa Catarina). Fil como era carinhosamente conhecido, servia com muito amor, zelo e serenidade como Secretário Fraterno Local e Interventor do Regional de SC, ajudando no processo de reestruturação da Juventude Franciscana no estado.
Fill era um irmão que sempre buscou ensinar seus irmãos a caminharem sendo protagonistas, tanto que ajudou a formar muitas lideranças. Alguns o conheceram por suas bandeiras em DHJUPIC, outros por seu amor e zelo com IMMF, ainda outros por sua sensibilidade ao evangelizar, ainda outros por seu trabalho na comunicação!
Um irmão que amava ensinar e o fazia com humildade e amor, seu sorriso sem jeito encantava, sua paz nos acalmava e seu eterno sim a JUFRA muitos nos inspirava e vai nos inspirar pra sempre, que possamos aprender a cuidar dos irmãos com o mesmo carinho, amor e paciência que ele cuidava.
Que toda a JUFRA do Brasil possa se unir em oração, pela família, amigos, fraternidade local e regional do Fil, para que o “brilho da fé seja a certeza que ele vive feliz com o Senhor”. Ficamos com seu exemplo de VIVER a “Espiritualidade Franciscana, em fraternidade com toda a criação”.
“Aquele que não ama permanece na morte,
este nosso irmão amou, por isso permanece na vida!”
Fraternalmente;
Secretariado Fraterno Nacional da JUFRA do Brasil




terça-feira, 9 de julho de 2019

CORJUFRA REGIONAL NE B1



Durante os dias 05, 06 e 07 de julho de 2019, a Juventude Franciscana do Regional NE B1 - (Pernambuco e Alagoas), esteve reunida na cidade de Penedo-AL, as margens do Rio São Francisco, para realizar o XIII Corjufra Ordinário Eletivo. ⠀

Com muita alegria, paz e poesia, todos os irmãos ali presentes foram convidados a voltar a Assis, refletir a caminhada, partilhar, planejar os próximos passos e eleger os irmãos que iriam compor o Secretariado Fraterno Regional do próximo triênio (2019-2022). O Congresso foi marcado por momentos de oração, convivência fraterna, avaliação, despedidas, alegrias e, sobretudo a vivência da FRATERNIDADE. ⠀
E como fraternidade, somos convidados ao serviço do reino de Deus. Assim, alguns(as) irmãos(ãs) receberam o chamado do Espírito Santo para SERVIR a Juventude Franciscana do Regional NE B1, durante os próximos três anos. ⠀
Dessa forma, foram eleitos e empossados como:⠀
Secretário Fraterno Regional: Erasmo Cláudio (Fraternidade Beleza Simples, Pesqueira-PE)⠀
Sec. p/ Distrito Grande Recife e Zona da Mata: Janeson Silva (Fraternidade Perfeita Alegria, Timbaúba-PE) 
Sec. p/ Distrito Agreste: Ana Laura (Fraternidade Beleza Simples, Pesqueira-PE)⠀
Sec. p/ Distrito Sertão: Sara Luana (Fraternidade Irmão Menor, Bodocó-PE)⠀
Sec. p/ Distrito Alagoas: Chrystyan André (Fraternidade Instrumentos da Paz, Penedo-AL)⠀
Secretária de Formação: Ana Raquel (Fraternidade Irmão Menor, Bodocó-PE)⠀
Conselho Fiscal: João Victor (Fraternidade Frei Galvão, União dos Palmares/AL)⠀ Raiane Mere (Fraternidade Mensageiros de Cristo, Caruaru/PE)⠀ Ruane Moraes (Fraternidade Estrela de Assis, Triunfo/PE)⠀


Portanto, “cantar um canto ensinado por Deus, com poesia ensinar nossa fé, plantar o chão, cultivar o Amor como poetas que querem sonhar”. ⠀
Fraternalmente,⠀
Patrick Martins Santos⠀
Sec. Nacional p/ Área Nordeste B


VEJA AS FOTOS DESSE CORJUFRA EM NOSSO INSTAGRAM >>> https://www.instagram.com/p/BzsqupGA8-0/



CORJUFRA REGIONAL SE 2



 Passado o final de semana eletivo para o Regional SE2 RJ/ES com o Corjufra 2019 as 3 Fraternidades do Rio de Janeiro avaliaram a caminhada e traçaram um novo plano de trabalho para o próximo triênio, com as prioridades para o fortalecimento das fraternidades já existentes e suas formações, com isso a expansão da Jufra do Brasil pensada como um projeto de vida, desde a IMMF até a renovação da OFS.⠀

O novo corpo atuante regional conta com Thiago Lima servindo como Secretario Regional (Fraternidade Chicão - Duque de Caxias), com Luiz Viana servindo como Vice Secretario Regional (Fraternidade Chicão - Duque de Caxias) e com Gabriela Torres servido como Formadora Regional (Fraternidade Porciúncula - Niterói).⠀

Parece um caminho difícil e impossível, mas a realidade é trabalhar com calma e planejamento sem querer que tudo esteja funcionando amanha.⠀
A ideia é fazer da caminhada também uma formação, e que tenhamos mais ações juntamente com toda a Família Franciscana, desde a Primeira e Segunda Ordem até a Terceira e seus simpatizantes. ⠀
E por fim mostrar a cara da Jufra do Brasil propagando o carisma e o compromisso que queremos ter com o evangelho a luz de São Francisco de Assis e Santa Clara de Assis.⠀

Por Luiz Viana⠀
Vice Secretário Fraterno Regional⠀
RJ/ES - Sudeste II

VEJA AS FOTOS DESSE CORJUFRA EM NOSSO INSTAGRAM: https://www.instagram.com/p/BzswjyRgxKI/

sexta-feira, 5 de julho de 2019

Fórum Franciscano sobre o Sínodo Pan-Amazônico


Iniciou nessa quinta-feira, 04 de julho, no Centro Arquidiocesano São José, em Manaus (AM), o Fórum Franciscano Para o Sínodo Pan-Amazônico. O fórum tem como objetivo conduzir franciscanos e franciscanas a voltarem o olhar e o coração aos apelos do Papa Francisco através de sua convocação para o Sínodo Pan-Amazônico.
O evento é promovido pela Conferência da Família Franciscana do Brasil (CFFB) e conta com a colaboração do Bispo Arquidiocesano da capital amazônica, Dom Sérgio Castriani, de Moema Miranda da Ordem Franciscana Secular (OFS), Frei Luiz Carlos Susin (OFMCap), Frei Florêncio Vaz (OFM) e dos assessores da Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM).
Durante o fórum serão realizados debates, estudos e conferências para o aprofundamento na solicitação do Papa Francisco. A conclusão será nesta sexta-feira (06) em um Momento Celebrativo: Cântico das Criaturas e Laudato Si.

“Como filhos e filhas de Francisco de Assis não podemos ficar alheios às contradições sociais da realidade contemporânea, com as quais somos chamados a confrontar-nos em especial quando se refere a sermos colaboradores na preservação de toda a biodiversidade, no respeito aos povos originários que vivem na Amazônia”, expressou o presidente da CFFB, Frei Éderson Queiroz (OFMCap), em sua carta de convocação ao evento.
O evento iniciou às 10 horas no Centro Arquidiocesano São José em Manaus com a apresentação e boas-vindas do presidente da CFFB, Frei Éderson Queiroz (OFMCap). Logo após, veio a fala do Arcebispo de Manaus, Dom Sérgio Castriani, com a apresentação do Sínodo Pan-Amazônico, como é ser igreja na Amazônia e o que o Papa Francisco espera da igreja na Amazônia.
No período da tarde, o Frei Luiz Carlos Susin (OFMCap) explanou a respeito da mudança de hábitos, conversão pastoral, ecológica e eclesial na Amazônia. Frei Florêncio Vaz falou sobre a Ecologia Integral Franciscana. E Frei João Messias, OFM, testemunhou sua vivência com os Munduruku, experiência missionária na Prelazia de Itaituba com mais de 58 comunidades indígenas que vivem com relação de pertença com a Floresta, mas ameaçados pela extração de minérios e outros impactos socioambiental.

Ir. Clarice Barri, Catequista Franciscana, relatou sobre Mobilidade Humana em Assis, área de Fronteira entre Brasil, Bolívia e Peru. Foram expostas o diagnóstico social, econômico e religioso. Além de diálogo, sincretismos e intercâmbio.
Ao longo do Fórum Franciscano, em sua página no Facebook, a CFFB está realizando transmissões ao vivo. Os irmãos e irmãs também podem acompanhar também por meio da Rádio Santo Antônio 
Francisco de Assis, patrono da ecologia, “irmão da natureza”, figura sempre muito atual, foi um dom para a Igreja, um estímulo para nós e um testemunho para a humanidade. A seu exemplo, possamos nós, franciscanos e franciscanas, cumprirmos nossa missão em defesa da vida e do cuidado da casa comum, com vigor renovado e com a audácia reformadora que o caracterizou.

sábado, 29 de junho de 2019

Escola de Formação de Formadores/as OFS-JUFRA Cone Sul



OFS e JUFRA do Cone Sul realizam 1ª Escola de Formação de Formadores/as

Teve início em 20 de junho, dia de Corpus Christi, na Igreja São Francisco
de Assis, em Foz do Iguaçu-PR, a 1ª Escola de Formação de Formadores/as OFS
– JUFRA do Cone Sul. Planejada desde 2018, a Escola reuniu mais de 50 irmãos
e irmãs da Ordem Franciscana Secular e da Juventude Franciscana da Argentina,
Bolívia, Brasil, Chile e Paraguai com o objetivo de partilhar os processos de
formação que acontecem em cada país, tendo como tema: Formação e
Identidade Franciscana: Por uma Fraternidade Sem Fronteiras.

Foram mais de 120 pessoas envolvidas na atividade, entre participantes,
famílias acolhedoras e dez equipes de trabalho e organização. Após a Celebração
Eucarística de Abertura, a Escola teve início com as boas-vindas da Equipe da
Coordenação Geral representando o CIOFS (Conselho Internacional da Ordem
Franciscana Secular) Silvia Diana, Elson Matias e Frei Alfred Parambakathu,
OFMConv, e a acolhida dos irmãos Sônia dos Santos, Ministra Local OFS, e
Maurício Bloemmer, Secretário Fraterno Local da JUFRA. Em seguida, foi
realizada a apresentação de todos os irmãos e irmãs por países, com a
composição da Equipe de Redação e Moderação. Ao final, os participantes foram
encaminhados para as famílias acolhedoras.

A sexta-feira, 21 de junho, iniciou com o café da manhã, na sede do
encontro, no Centro de Educação Infantil Vicentina Nossa Senhora da Conceição,
seguido da Celebração da Palavra “O grito dos pobres e o testemunho de nossos
mártires”. Após este momento, cada país foi convidado a apresentar a
Experiência Formativa da OFS e JUFRA, apresentando as metodologias e
materiais utilizados na formação em seus países. 

A tarde foi marcada pelo trabalho em grupo, onde os participantes organizados em rodas de diálogo
conversaram sobre os pontos comuns, os desafios e perspectivas de formação no
Cone Sul. Os grupos foram intitulados com os nomes de mártires dos países
participantes: Angelelli e companheiros, Irmã Dorothy Stang, Irmão Maurício, Irmã
María Correa, Luis Espinal e Luis Acevedo.

Na parte da noite, foi realizada a Festa Latina com apresentações musicais
e danças típicas: Argentina: Seminare, Chacarera, Chamamé, Cuarteto; Bolívia:
Cuntunkis, Chovena, Cachalita, Caporales, Chauqena, Tinkuy e Cucca
Chaqueña; Paraguai: Paraguaya Linda, Polka Danza, Regalo de Amor; e Chile.
Já na manhã do sábado, 22 de junho, após o café, realizou-se a
Celebração “O grito da Mãe Terra”, trazendo presente os desafios ecológicos
atuais. Prosseguiu-se com a Conferência “O Compromisso Franciscano Secular
frente à Crise Socioambiental”, assessorada por Washington Lima da JUFRA do
Brasil, e logo após exibiu-se a Conferência on-line “A Experiência de Vida:
Caminho de Formação e Pedagogia Franciscana”, por Eduardo Molino da OFS
Argentina. Os participantes então organizaram em novos seis grupos para
discussão dos temas apresentados. Os grupos foram intitulados com expressões
em guarani, foram eles: Yvy porã (Terra linda), Yvytu piro’y (brisa suave), Yvy
Marane’y (Terra sem mal), Tupã Renda (Lugar de Deus), Ñande ypykuéra
(Nossos ancestrais) e Yvyty marangatu (morro santo).

À tarde, após a Plenária realizou uma Mesa com os membros do CIOFS
sobre “A Família na Fraternidade Local”, “O Papel do Assistente Espiritual na
Formação” e “A Animação Fraterna e a Dupla Pertença”, seguida de debate com
os participantes. Prosseguiu-se com o lançamento da 1ª Jornada Latino-
americana pelos Direitos Humanos, a ser realizada entre os dias 01 e 10 de
dezembro em todas as Fraternidades de JUFRA do continente, cujo tema será
“Juventude e Protagonismo” e lema “Ouvimos a voz de Deus, devemos acordar,
levantar e agir” (Papa Francisco).

O fim da tarde de sábado foi marcado com o trabalho em grupo para a
elaboração dos Compromissos e Conclusões da Escola, onde os participantes
dividiram-se em novos seis grupos intitulados com as padroeiras dos países do
Cone Sul, foram eles: Senhora de Luján, Senhora Aparecida, Senhora de
Caacupé, Senhora dos Trinta e Três, Senhora de Copacabana e Senhora do
Carmo. Em plenária foram apresentadas as discussões e dados os
encaminhamentos que constam na Mensagem Final, inclusive programando para
maio/junho de 2020 a 2ª Escola a ser realizada na Argentina. Na noite de sábado
foi realizada a tão esperada Festa Junina, assumida pelo Brasil, apresentando
também o samba e o carimbó, e uma grande quadrilha improvisada com os
participantes. As Fraternidades OFS e JUFRA de Foz do Iguaçu prepararam um
verdadeiro banquete de comidas e bebidas típicas que foram partilhadas entre
todos.

O domingo, 23 de junho, iniciou-se com o café da manhã, e todos os
participantes encaminharam-se para a Igreja São Francisco para a Celebração
Eucarística de Encerramento, onde a Comunidade Paroquial e as famílias
acolhedoras estiveram presentes. Ao final foram realizados os devidos
agradecimentos e lida a Mensagem Final com os Compromissos e Conclusões.
Seguiu-se para a foto oficial, e logo para o passeio no Parque Nacional das
Cataratas do Iguaçu.

A 1ª Escola de Formadores/as foi uma verdadeira “escola de vida”, onde a
“Fraternidade Sem Fronteiras” abraçou a todos e inspirou um longo caminho que
a OFS e a JUFRA têm a percorrer. A caminhada está apenas começando...

Todas as informações da 1ª Escola de Formação de Formadores/as OFS –
JUFRA do Cone Sul encontram-se na página do Facebook Congresos
Latinoamericanos OFS – JUFRA.

Equipe de Comunicação – 1ª Escola OFS e JUFRA Cone Sul
Rômulo Pereira, Carmen Arévalos, Gutto Wendler, Agnis Ramos, Elson Matias


VEJA FOTOS: